Xistopedia

Vendo para Crer, Revendo para Criar: Visões Fotográficas do Xisto, do Zêzere e das Minas da Panasqueira

Vendo para Crer, Revendo para Criar: Visões Fotográficas do Xisto, do Zêzere e das Minas da Panasqueira
arte e cultura
Orientado por Rodrigo Braga e Carlos Casteleira, este workshop de fotografia, no âmbito do Laboratório Aldeias do Xisto, explorou e estimulou a relação dos participantes com o meio envolvente.

Sensibilidade e calma. São as sensações que o fotógrafo brasileiro Rodrigo Braga mais retém do workshop de fotografia “Vendo para Crer, Revendo para Criar” que, com o artista visual Carlos Casteleira, promoveu na Aldeia do Xisto da Barroca, de 15 a 21 de julho de 2019.

O curso, desenvolvido no contexto do Laboratório Aldeias do Xisto, e integrado no PES - Projeto Entre Serras, reforça o papel das Aldeias do Xisto como laboratório vivo que promove a inovação e a imersão para a criação de experiências e aprendizagem conjunta

O workshop juntou oito participantes de vários horizontes geográficos e profissionais. O rio Zêzere e o seu contexto ecológico, biológico (animal, vegetal e mineral), histórico e pré-histórico, social ou mesmo tecnológico foram os elementos centrais desta experiência que colocou os alunos em sintonia com o território que os rodeava.

Os trabalhos foram apresentados no auditório da Casa Grande, na Barroca, dia 21 de julho 2019, e serão exibidos numa exposição a decorrer na apresentação do Projeto Entre Serras na galeria Art Space in Newark da Universidade de Denison - Ohio bem como no território das Aldeias do Xisto numa exposição posterior.

Foi precisamente através do PES que Rodrigo teve o primeiro contacto com este território. “É uma região muito rica e diversificada, que muda muito com as estações do ano”, considera. Por isso, “podem aqui ser criadas imagens infinitas”.

“Vendo para Crer, Revendo para Criar” revela-se uma experiência interessante, na medida em que é “muito plural e singular ao mesmo tempo”. Plural, pela “diversidade de cada participante" e singular porque decorre numa “região única”.

Além do trabalho em sala, apoiado e orientado pelos formadores, o workshop inclui trabalho de campo, incentivando cada aluno a seguir o seu processo criativo e a desenvolver um projeto próprio.

A tendência de cada um dos formadores vai ao encontro das dialéticas da fotografia que o curso pretendia explorar, por exemplo, objetividade e subjetividade, observação e criação, representação e autoria.

“O Carlos valoriza mais a experiência direta, mais crua. Eu trabalho mais com a construção da imagem, uma experiência mais corpórea”, explica Rodrigo.

O fotógrafo vai permanecer em residência artística nas Aldeias do Xisto até final 19 de agosto, numa iniciativa que volta a contar com o apoio das Aldeias do Xisto, do Município do Fundão, através do programa iNature) e com o acompanhamento de Carlos Casteleira. A residência divide-se entre a Barroca e o Cabeço do Pião num acordo concertado com o artista. Rodrigo parte para esta experiência sem uma ideia perfeitamente definida, sabendo apenas que “o xisto e o Zêzere, somados às histórias dos habitantes, são elementos fortíssimos” que não deverá ignorar. A comunicação com as pessoas é, nesta região, “muito fácil”, demonstrando que “estão habituadas a receber gente de fora. É muito interessante e também faz parte da experiência”.

Um workshop que reflete a realidade que o envolve

Apesar da diferente linguagem fotográfica, o discurso de Carlos Casteleira vai ao encontro destas ideias. “Por trás da fotografia há sempre uma realidade. Aqui, o contacto com as pessoas é muito fácil e esta é uma realidade específica que vai sobressair nos trabalhos”, explica, sublinhando que a interação do workshop com outras experiências que acontecem em simultâneo na região contribui também para aquela especificidade. A deslocação a Janeiro de Cima para assistir à apresentação pública do Dark Sky Aldeias do Xisto, certificado como Destino Turístico Starlight, a Fajão para ouvir William Parker, Hamid Drake, John Dikeman e Luís Vicente no âmbito do XJazz- Encontros do Jazz das Aldeias do Xisto ou a integração no programa da caminhada pela Rota dos Pirilampos são os exemplos mais marcantes.

Todas estas experiências motivam os participantes a concretizarem um dos objetivos do workshop. Como explica Carlos, “trata-se, não só de reproduzir a realidade através da fotografia, mas também trabalhá-la de forma consciente, com associação de imagens. Esta é uma reflexão que cada aluno vai ter com a sua aproximação ao território”, considera. O Rio Zêzere e as Minas da Panasqueira marcam a paisagem envolvente e, naturalmente, têm presença forte nos trabalhos desenvolvidos.

Este workshop de fotografia insere-se nas atividades desenvolvidas pelo PES, um projeto de arte contemporânea que explora a ligação entre o homem e o meio que o envolve, procurando também encontrar um equilíbrio entre a tecnologia e a natureza. “Não se trata de recusar o progresso, mas sim de viver com ele de forma equilibrada”, explica Carlos Casteleira, um dos fundadores do projeto.

Encontrar o “outro lado” da fotografia

O workshop juntou 8 participantes de formações, interesses e idades diversas, que, além do gosto em aprender, partilham o gosto pela fotografia. Os trabalhos realizados foram apresentados no auditório da Casa Grande da Barroca a 21 de julho 2019 e serão exibidos numa exposição a decorrer na apresentação do Projeto Entre Serras na galeria Art Space in Newark da Universidade de Denison, Ohio.

“É uma mais valia. Estamos sempre a aprender e gosto de conhecer o trabalho de outros artistas”, considera Andrea Inocêncio, artista visual, que estabeleceu contacto recentemente com as Aldeias do Xisto, no âmbito do doutoramento que está a desenvolver.

Neste território, Andrea sente uma “liberdade” que não encontra na cidade. “É um ambiente mais propício à criação e o facto de ter mais tempo permite-me outro olhar”, explica.

Para o workshop, Andrea procurou lugares onde houvesse uma ligação com a água. Foi em Dornelas que encontrou o local com o qual se conectou, na sequência de uma sugestão de Humberto Simões, outro dos participantes.

Humberto trabalha nas Minas da Panasqueira há cerca de 7 anos e é fotógrafo amador. Participou na iniciativa com o intuito de ganhar outra perspetiva da fotografia. Por norma, as imagens que capta estão relacionadas com história, arqueologia e natureza. Ao contrário dos restantes participantes, não recolheu imagens e optou por trabalhar algumas das que, ao longo dos anos, foi reunindo. A única certeza no momento em que esta conversa decorreu era a de que o seu trabalho final tem a ver com a Barroca. “Esta é uma experiência nova e diferente de tudo a que estou habituado. Estou a tentar o outro lado da fotografia e a ganhar um novo olhar sobre a natureza”, conta. A troca de experiências, conhecimentos e opiniões foram também estimuladas e apreciadas. “Aprendi muito com os meus colegas”, garante Humberto.

Os “pensamentos muito diferentes” e a “ligação natural” que se estabeleceu entre os elementos do grupo é também um dos aspetos realçados por Bruno Medeiros. Originário do Porto, estudou Cinema na Universidade da Beira Interior, na Covilhã, onde frequenta atualmente o doutoramento em Filosofia, com a esperança de conhecer e desenvolver novas ideias para aplicar na arte cinematográfica. Naturalmente, Bruno “fugiu” à imagem estática e optou pelo vídeo. O trabalho procura captar o “dinamismo” que se sente na Barroca e arredores e que ganha “intensidade” junto às escombreiras das Minas. “Há uma zona em que, devido à erosão, quase não há caminho. Não tem qualquer apoio. É como uma dupla vertigem: de um lado a montanha de gravilha e do outro o rio”, explica. “Foi muito proveitoso desde o primeiro dia. Não estava à espera de tanto dinamismo e flexibilidade no curso”, refere. Uma opinião relacionada com o facto de o programa incluir atividades que, aparentemente, não têm a ver com o workshop propriamente dito. “Nunca tinha andado de canoa”, exemplifica. Uma oportunidade que, a par dos acontecimentos atrás referidos por Carlos Casteleira, permitiu ao Bruno e ao restante grupo um contacto direto com o espaço envolvente, colocando-os em sintonia com o território.

Rota dos Pirilampos junta meia centena de participantes

A caminhada noturna Rota dos Pirilampos integrou o programa do workshop desde o primeiro instante. Organizado pelos Caminheiros da Gardunha, o percurso juntou cerca de meia centena de participantes, quase na totalidade sócios e assíduos nos percursos que decorrem ao longo de todo o ano.

Com início na Praia Fluvial da Barragem de Santa Luzia, o percurso seguiu pelo paredão da Barragem de Santa Luzia, cruzando para a outra margem do rio Unhais.

A partir daí, percorreu os recortes da albufeira, contornou a aldeia submersa de Vidual de Baixo. Já com a noite a fazer-se sentir, ao longe, na outra margem, três luzes piscavam. São “Os Pirilampos”, a intervenção artística de Erik Samakh, que conta com o apoio do PES e, como explica Carlos Casteleira, alerta para o impacto do ser humano nos ecossistemas, colocando em risco a biodiversidade. São pequenas luzes que se alimentam da energia solar e assinalam também a integração dos lugares, territórios e parceiros ao Projeto Entre Serras, constituindo assim uma cartografia in situ.

Mas foi também possível ver pirilampos “verdadeiros”, motivo mais que suficiente para parar uns instantes e dar uso às câmaras cada vez mais sensíveis dos smartphones. A caminhada seguiu depois para o Vidual, por um caminho que oscila entre a crista e a encosta das elevações. A noite terminou na Portela de Unhais, onde os participantes partilharam um lanche e retemperaram energias.

“Acima de tudo, apreciem e divirtam-se. E sintam os cheiros da natureza”, aconselhou David Caetano, da organização, no briefing inicial. Assim fizemos e, olhando para o céu, foi fácil perceber, uma vez mais, a razão pela qual o Dark Sky Aldeias do Xisto recebeu a certificação de Destino Turístico Starlight, atribuído pela Fundação Starlight.


Texto: Andreia Gonçalves

explorar

restauração
Restaurante Fugas
Restaurante Fugas
restauração
Callum
Callum
Oleiros
restauração
As Beiras
As Beiras
Pampilhosa da Serra
restauração
Varanda do Casal
Varanda do Casal
Casal de São Simão
restauração
Bem-Me-Quer
Bem-Me-Quer
Martim Branco
restauração
Sabores da Aldeia
Sabores da Aldeia
restauração
Fiado Restaurante
Fiado Restaurante
Janeiro de Cima
restauração
Museu da Chanfana
Museu da Chanfana
Miranda do Corvo
restauração
Casa Ti'Augusta
Casa Ti'Augusta
Figueira
alojamento
Casa do Talasnal
Casa do Talasnal
Talasnal
alojamento
Casas de Água Formosa
Casas de Água Formosa
Vila de Rei
alojamento
Aldeia Oliveiras
Aldeia Oliveiras
Proença-a-Nova
alojamento
Casa Lausus
Casa Lausus
Talasnal
alojamento
Casas da Serra do Açor
Casas da Serra do Açor
Casal Novo, Arganil
alojamento
Casa Cova do Barro
Casa Cova do Barro
Janeiro de Cima
alojamento
Aqua Village Health Resort & SPA
Aqua Village Health Resort & SPA
Caldas de São Paulo
alojamento
Hostel Casa do Caminheiro
Hostel Casa do Caminheiro
Talasnal
alojamento
Mountain Whisper
Mountain Whisper
Gondramaz
percurso
Centro Cyclin'Portugal da Serra do Açor - Coja (P31 - Verde)
Centro Cyclin'Portugal da Serra do Açor - Coja (P31 - Verde)
experiências
Aventura Épica XL
Aventura Épica XL
património
Ponte Medieval de Alvoco das Várzeas
Ponte Medieval de Alvoco das Várzeas
património
Igreja Matriz de Aldeia das Dez - S. Bartolomeu
Igreja Matriz de Aldeia das Dez - S. Bartolomeu
aldeia
Ferraria de São João
Ferraria de São João
percurso
Centro Cyclin'Portugal da Praia Fluvial da Fróia (P31 - Verde)
Centro Cyclin'Portugal da Praia Fluvial da Fróia (P31 - Verde)
aldeia
Sobral de São Miguel
Sobral de São Miguel
património
Villa Romana do Rabaçal
Villa Romana do Rabaçal
experiências
River Walking - Caminhada Aquática na Eireira
River Walking - Caminhada Aquática na Eireira
percurso
Centro Cyclin'Portugal de Tábua (P5 - Preto)
Centro Cyclin'Portugal de Tábua (P5 - Preto)
Quinta da Palmeira – Country House Retreat & Spa
aldeia
Figueira
Figueira
experiências
Passeio Geológico de Foz do Cobrão e Sobral Fernando
Passeio Geológico de Foz do Cobrão e Sobral Fernando

próximos eventos

evento
Concurso de fotografia "A VER Figueiró dos Vinhos"
Concurso de fotografia "A VER Figueiró dos Vinhos"
01 mar 2024 - 30 set 2024, 10:00
evento
Talasnal ao Luar
Talasnal ao Luar
24 mai 2024 - 13 dez 2024, 20:30
Talasnal
evento
Oficina de Destilação Artesanal de Óleos Essenciais
Oficina de Destilação Artesanal de Óleos Essenciais
25 mai 2024, 10:00
Cerdeira
evento
Alva Skate Fest
Alva Skate Fest
25 mai 2024 - 26 mai 2024, 10:00
evento
Curso de Cerâmica e Overglazing - Infinite Skies
Curso de Cerâmica e Overglazing - Infinite Skies
28 mai 2024 - 06 jun 2024, 10:00
Cerdeira
evento
Workshop de Iniciação à Cerâmica Sonora
Workshop de Iniciação à Cerâmica Sonora
14 jun 2024 - 16 jun 2024, 10:00
Cerdeira
evento
Doze Meses, Doze Caminhadas
Doze Meses, Doze Caminhadas
16 jun 2024 - 01 dez 2024
evento
Curso de Máscaras, Som e Cerâmica
Curso de Máscaras, Som e Cerâmica
19 jun 2024 - 25 jun 2024, 10:00
Cerdeira
evento
Raiz d'Aldeia 2024
Raiz d'Aldeia 2024
26 jun 2024 - 30 jun 2024, 21:00
Janeiro de Cima
evento
Workshop de Talha em Madeira de Castanho
Workshop de Talha em Madeira de Castanho
29 jun 2024 - 02 jul 2024, 10:00
Cerdeira
evento
Gravity Fest 2024
Gravity Fest 2024
13 jul 2024 - 14 jul 2024, 09:00
Fajão
evento
Curso de Cerâmica e Cozedura a Lenha
Curso de Cerâmica e Cozedura a Lenha
19 jul 2024 - 28 jul 2024, 16:00
Cerdeira
evento
Benfeita Trail 2024
Benfeita Trail 2024
11 ago 2024, 09:00
Benfeita
evento
Cerâmica Japonesa e Ikebana
Cerâmica Japonesa e Ikebana
06 set 2024 - 15 set 2024, 15:00
Cerdeira
evento
Curso Paper Clay
Curso Paper Clay
24 set 2024 - 29 set 2024, 15:00
Cerdeira