ALDEIAS

Candal

serra da lousã
Serra da LousãCandal
Candal
candal, lousã
Aninhada na serra. Mais do que um ponto de apoio, é um reconfortante porto de abrigo para quem sobe ou desce a serra.

Na bacia hidrográfica da Ribeira de S. João encaixa, entre outros, este anfiteatro onde se alojou o Candal e a sua ribeira, aninhado na Serra da Lousã, numa colina voltada a Sul. Estrategicamente colocada junto à Estrada Nacional, que liga Lousã a Castanheira de Pera, esta aldeia está habituada a receber visitantes. A subida até ao miradouro, pelas ruas inclinadas, é recompensada com uma belíssima vista sobre o vale se apresenta, por onde serpenteia a Ribeira do Candal. No regresso, a Loja Aldeias do Xisto aguarda-os para um momento de descanso.

Beneficiando da acessibilidade privilegiada que lhe proporciona a Estrada Nacional, Candal é muitas vezes considerada a mais desenvolvida das aldeias serranas e uma das mais visitadas. Aos seus habitantes de sempre é comum juntarem-se ocupantes de férias e fins-de-semana que aqui acorrem em busca de ar puro e boa companhia.

  • território

    Candal fica a 10 km da Lousã. A aldeia localiza-se na vertente ocidental da Serra da Lousã, quase ao fundo de uma ampla concha formada pelas encostas que começam na principal linha de cumeadas da serra. A bacia hidrográfica da Ribeira de São João encaixa, entre outros, este anfiteatro onde se alojou o Candal e a sua ribeira. A maioria das construções da aldeia dispõe-se na encosta exposta a nascente. Outras dispõem-se ao longo das outras encostas, todas convergindo para um mesmo ponto onde também se encontram as linhas de água. Aqui a aldeia confronta com a estrada, aqui se desenvolvendo em banda no seu lado montante.

    É atravessada pela EN236, facto que serviu para lhe traçar outros caminhos de existência, dado que esta via a liga à Lousã ao ponto mais elevado da Serra (Trevim, 1204m) e a Castanheira de Pera.

  • natureza

    O Candal está incluído no Sítio de Importância Comunitária Serra da Lousã - Rede Natura 2000. A sua envolvente natural é dominada por pinhais e eucaliptais, mas ainda subsistem espécies e bons núcleos de vegetação correspondentes ao antigo coberto vegetal. Sobreiros e castanheiros crescem próximo das habitações, espécies arbóreas permitidas pelas antigas gentes da Serra, valorizadas pela sua cortiça, madeira e frutos, e azereiros e azevinhos refugiam-se em alguns troços das linhas de água próximas da aldeia. Podemos encontrar veados na envolvente da aldeia ou ouvi-los distintamente durante a época da brama.

    Por aqui passam as águas que as nuvens precipitaram nas cotas mais elevadas da serra. O xisto pouca capacidade tem para as segurar e, por isso, correm apressadas, encosta abaixo, com vontade de serem rio. Aqui são a Ribeira do Candal. Mais abaixo, pelas terras baixa da Lousã, já serão rio Arouce, depois serão Ceira, passando a Mondego, de onde passam, finalmente, a oceano.

  • história e estórias

    Em termos gerais, a história desta aldeia é comum às histórias das restantes Aldeias do Xisto do concelho da Lousã. A fixação da população nas aldeias da Serra da Lousã terá ocorrido a partir da segunda metade do século XVII ou pelo início do século XVIII. Até então, a ocupação seria apenas sazonal, na primavera e verão, nomeadamente com atividades pastoris. O certo é que o Candal é um exemplo típico de apropriação do território pelo homem. Numa clara tentativa de adaptação às irregularidades do terreno, a disposição das edificações seguiu um método lógico tendo em vista o assegurar das exposições solares e facilitar das acessibilidades.

    No “Cadastro da população do reino (1527)“ nenhuma destas aldeias é referida no termo da Lousã. Os documentos mais antigos que indiciam a sua ocupação são uma multa infligida pela Câmara da Lousã em 1679 e o registo de propriedades foreiras ordenado por D. Pedro II, de 1687. No início do século XIX apenas o Candal e a Cerdeira escaparam ao saque do exército napoleónico. Em 1885 a população das sete aldeias (as cinco Aldeias do Xisto, mais Catarredor e Vaqueirinho) corresponderia a 8,7% do total da freguesia da Lousã (5340 habitantes).

    No que diz respeito ao Candal, em 1911 viviam na aldeia 129 pessoas. Na década de 1920, inicia-se a emigração para os EUA, mas, mesmo assim, em 1940 a aldeia atingiu o máximo de 201 habitantes. Por esta altura, a aldeia contava com dois rebanhos de cabras e ovelhas, num total de 1200 cabeças. Pastorícia, fabrico de carvão e uma agricultura de subsistência seriam as atividades da população. Seguiram-se as ocupações como plantadores aquando da florestação da serra e como cantoneiros da estrada que a atravessa.

    Logo acima é a aldeia do Candal, na típica pobreza, escura, dos pequenos povoados da serra - duas dezenas de choupanas feitas de lascas soltas de xisto. (…) Os moradores são pastores, carvoeiros, plantadores dos Serviços Florestais, cantoneiros da estrada, e principalmente agricultores das estreitas leiras amanhadas sobre socalcos, à força de teimosia, em que espetam meia dúzia de couves ou semeiam dois punhados de centeio, e que muitas vezes desaparecem numa noite de enxurrada.”
    Silva Teles in “Guia de Portugal - Beira Litoral, Beira Baixa, Beira Alta” (1944)

    Nas décadas de 1950 e 1960, muitos candalenses partem para o Brasil. Em 1958, a aldeia festejou a chegada da primeira telefonia a pilhas. Os censos de 1960 já indiciam um acentuado decréscimo da população das aldeias, que passa a representar apenas 4,2% da do total da freguesia da Lousã (8191 habitantes). E em 1970 já só representavam 2,5%.

    A eletricidade só chegaria ao Candal na década de 70. Tal como o telefone.

    Em 1976, começaram a ser adquiridas as primeiras habitações para recuperação e para funcionarem como segunda residência. E, em 1991, a aldeia já só possuía 15 habitantes.

    A origem do nome
    O nome Candal poderá estar associado à arte de trabalhar a pedra. Os canteiros – os homens que trabalham a pedra – e os pedreiros – que com elas erguem muros e casas -, cantavam enquanto desenvolviam o seu trabalho. “Cantar a pedra” poderá ter evoluído para “candar” e depois para Candal, o local onde se canta a pedra.

  • património

    A malha urbana é irregular e complexa. A aldeia desenvolve-se em encostas que se confrontam e sobre as quais o casario se desenvolve como que em anfiteatro. O único elemento estruturante é a EN236 que a bordeja na parte inferior. O material de construção predominante é o xisto, com fachadas sem reboco, evidenciando um aparelho tosco. A banda de casas junto à estrada evidencia sinais exteriores de maior modernidade, com fachadas rebocadas e pintadas de cores garridas, mas que respeitam o traço e a volumetria dominante na aldeia.

    As habitações e os edifícios que albergavam o gado doméstico são as construções mais significativas.  Mas, nesta aldeia, é o aspeto do conjunto arquitetónico que a torna verdadeiramente singular, com os contornos pouco uniformes dos edifícios e as construções justapostas ou mesmo sobrepostas a contribuírem para uma paisagem de rica diversidade.

    Além dos edifícios habitacionais e dos edifícios que albergavam o gado doméstico, o Candal não possui significativas construções. Mas as que existem têm a sua história e importância.

    Merecem destaque:

    • Antiga Escola Primária
      Construída na década de 1920 graças às remessas de divisas enviadas pelos candelenses que tinham emigrado para os EUA.
    • Chafariz do Candal
      Implantado na berma da EN236 e datado de 1941, tem poema que o enobrece:
      O Chafariz do Candal
      Tem duas pedras de assento
      Uma é para namorar
      Outra para passar o tempo
    • Alminha
      É a única construção religiosa que existe na aldeia. Encontra-se  no largo da aldeia e foi mandada construir por uma família de candelenses como pagamento de uma promessa.
    • Moinhos
      Cinco moinhos hidráulicos, construídos na década de 1920, ao longo da margem direita da Ribeira de Candal, aproveitavam a força da água para acionar o mecanismo que moía os grãos de cereal produzidos nas pequenas leiras da aldeia.
    • Lagar de azeite
      Também aproveitando as águas da Ribeira do Candal, foi aqui  construído um lagar de azeite (1919). Recentemente foi alvo de intervenção de recuperação, estando o seu mecanismo operacional.
    • Lavadouro
  • festividades
    • Março: Festa da Primavera
    • Julho: Encontro dos povos serranos (Santo António da Neve)
    • Último Sábado de Agosto:  Festa de Nossa Senhora das Preces - Festa da aldeia
    • Agosto: Noites na Eira (cinema)
    • Setembro: Festa da Música (3.ª edição em 2013)
    • Dezembro: Natal no Candal
  • produtos
    • Hortícolas
    • Fruta da época
    • Castanha
  • como chegar

    De Norte e Sul
    Na A1 sair em Coimbra. Tome a N17 (Estrada da Beira) e saia na N342, no sentido da Lousã. Chegando à Lousã, seguir pela N236 no sentido de Castanheira de Pera até chegar ao Candal.

  • nome dos habitantes
    candalenses
  • padroeiro
    nossa senhora das preces
  • ex libris
    miradouro sobre o casario

Contactos

explorar

restauração
Restaurante Pátio do Xisto
Restaurante Pátio do Xisto
Gondramaz, Miranda do Corvo
alojamento
Casa das Bugalhas
Casa das Bugalhas
Candal
alojamento
Cerdeira - Home for Creativity
Cerdeira - Home for Creativity
Lousã
alojamento
Cerdeira - Home for Creativity - HOSTEL
Cerdeira - Home for Creativity - HOSTEL
Lousã
alojamento
Casa Princesa Peralta
Casa Princesa Peralta
Talasnal
alojamento
Casa Lausus
Casa Lausus
Talasnal
alojamento
Hostel Casa do Caminheiro
Hostel Casa do Caminheiro
Talasnal
alojamento
Casa dos Amigos
Casa dos Amigos
Casal Novo
alojamento
Palácio da Lousã Boutique Hotel ****
Palácio da Lousã Boutique Hotel ****
Lousã
alojamento
BLUESKY By Camelo Casas de Campo
BLUESKY By Camelo Casas de Campo
Aldeia do Camelo
alojamento
Mountain Whisper
Mountain Whisper
Gondramaz
alojamento
Pátio do Xisto
Pátio do Xisto
Gondramaz, Miranda do Corvo
alojamento
Retiro do Gondramaz
Retiro do Gondramaz
Gondramaz
alojamento
Casa de Campo da Comareira
Casa de Campo da Comareira
Comareira
alojamento
Casa da Cerejinha
Casa da Cerejinha
Góis
alojamento
Casa do Neveiro
Casa do Neveiro
Góis
alojamento
Quinta dos Esconhais
Quinta dos Esconhais
Castanheira de Pêra
percurso
PR4 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota das Quatro Aldeias
PR4 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota das Quatro Aldeias
associações
Cerdeira Village Art & Craft
Cerdeira Village Art & Craft
Cerdeira, Lousã
aldeia
Cerdeira
Cerdeira
produtores
Planta do Xisto
Planta do Xisto
Cerdeira
experiências
Escapadinha de E-Bike nas Aldeias do Xisto
Escapadinha de E-Bike nas Aldeias do Xisto
aldeia
Talasnal
Talasnal
aldeia
Chiqueiro
Chiqueiro
aldeia
Casal Novo
Casal Novo
património
Castelo da Lousã
Castelo da Lousã
percurso
PR3 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota da Levada
PR3 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota da Levada
percurso
PR2 Lousã - Rota das Aldeias do Xisto da Lousã
PR2 Lousã - Rota das Aldeias do Xisto da Lousã
Casa Princesa Peralta
percurso
PR5 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota dos Serranos
PR5 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota dos Serranos
Casa Princesa Peralta
património
Santo António da Neve
Santo António da Neve
percurso
PR7 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - À Descoberta da Floresta
PR7 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - À Descoberta da Floresta
percurso
Subida Épica: Lousã - Trevim
Subida Épica: Lousã - Trevim
Casa Princesa Peralta
percurso
PR 1 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota dos Moinhos
PR 1 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota dos Moinhos
Casa Princesa Peralta
institucional
Câmara Municipal da Lousã
Câmara Municipal da Lousã
Lousã
percurso
PR6 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota dos Baldios
PR6 LSA - Caminho do Xisto da Lousã - Rota dos Baldios
Casa Princesa Peralta
associações
Activar - Associação de Cooperação da Lousã
Activar - Associação de Cooperação da Lousã
Lousã
associações
Montanha Clube
Montanha Clube
Lousã
associações
ARCIL - Associação para Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lousã
ARCIL - Associação para Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lousã
Lousã
institucional
Junta de Freguesia da Lousã e Vilarinho
Junta de Freguesia da Lousã e Vilarinho
Lousã
associações
Conselho Directivo dos Baldios da Lousã
Conselho Directivo dos Baldios da Lousã
Lousã
produtores
Lousãmel
Lousãmel
Lousã
associações
GERL - Grupo Etnográfico da Região da Lousã
GERL - Grupo Etnográfico da Região da Lousã
Lousã
aldeia
Aigra Velha
Aigra Velha
aldeia
Aigra Nova
Aigra Nova
associações
Lousitânea - Liga de Amigos da Serra da Lousã
Lousitânea - Liga de Amigos da Serra da Lousã
Aigra Nova, Góis
percurso
PR 1 GOI - Caminho Aldeias de Góis  Rota das Tradições do Xisto
PR 1 GOI - Caminho Aldeias de Góis Rota das Tradições do Xisto
aldeia
Gondramaz
Gondramaz
institucional
Junta de Freguesia de Vila Nova
Junta de Freguesia de Vila Nova
percurso
PR2 MCV - Caminho do Xisto do Gondramaz - Nos Passos do Moleiro
PR2 MCV - Caminho do Xisto do Gondramaz - Nos Passos do Moleiro
percurso
PR1 MCV - Caminho do Xisto Acessível do Gondramaz
PR1 MCV - Caminho do Xisto Acessível do Gondramaz
aldeia
Comareira
Comareira
aldeia
Pena
Pena
percurso
Estrada Panorâmica: Pena - Fajão
Estrada Panorâmica: Pena - Fajão
percurso
PR 9 GOI - Caminho do Xisto das Aldeias de Góis – Trilho do Baile
PR 9 GOI - Caminho do Xisto das Aldeias de Góis – Trilho do Baile
percurso
Subida Épica: Castanheira de Pera - Trevim
Subida Épica: Castanheira de Pera - Trevim
Casa Princesa Peralta
institucional
Câmara Municipal de Castanheira de Pera
Câmara Municipal de Castanheira de Pera
Castanheira de Pêra
animação turística
Prazilândia E.M., Empresa Municipal de Turismo e Ambiente de Castanheira de Pêra
Prazilândia E.M., Empresa Municipal de Turismo e Ambiente de Castanheira de Pêra
Castanheira de Pêra

próximos eventos

evento
Project@X – Viagem à Luz das Estrelas
Project@X – Viagem à Luz das Estrelas
25 jun 2022 - 24 set 2022, 22:00
Fajão
evento
Concurso de fotografia "A VER Figueiró dos Vinhos" 2022
Concurso de fotografia "A VER Figueiró dos Vinhos" 2022
10 ago 2022 - 30 set 2022
evento
Verão na Ribeira com os Invertebrados Aquáticos
Verão na Ribeira com os Invertebrados Aquáticos
18 ago 2022 - 25 ago 2022, 14:00
evento
Escalada no Zebro
Escalada no Zebro
20 ago 2022 - 17 dez 2022, 14:00
Estreito
evento
XJazz 2022: Sara Serpa e André Matos em Gondramaz
XJazz 2022: Sara Serpa e André Matos em Gondramaz
27 ago 2022, 21:30
Gondramaz